Somos mais de 300 mil fãs no Facebook, seja fã também, curta nossa página!
   
Mapa do Site


História

Copyright Prêmio ED
Eli Jorge de Lima, fundador da rede Centerplex, na entrega do Prêmio ED.
Apaixonado por cinema desde a adolescência, o fundador da rede Centerplex Cinemas e atual presidente do Sindicato dos Exibidores do Estado de São Paulo, Eli Jorge de Lima, já chegou a pregar cartazes no único cinema de sua cidade natal, a pequena Bezerros, a 100 km de Recife, só para obter em troca ingressos para as sessões de velhos faroestes.

Não foi à toa, portanto, que, quando veio tentar a vida em São Paulo, no final da década de 60, junto com a mãe e os irmãos, as salas de exibição tenham lhe parecido as primeiras portas a bater em busca de sustento. Empregado como faxineiro no antigo Cine Cairo, no Vale do Anhangabaú, em pouco tempo foi promovido a lanterninha, a bilheteiro, e logo em seguida convidado a exercer a função de gerente em outro cinema, o Cinemundi, na Praça da Sé. Carismático, foi de lá, apanhando pessoalmente as latas de celulóide, que iniciou sua ligação com a distribuidora Paris Filmes, onde permaneceu por mais de 10 anos rodando o interior para vender filmes aos cinemas e prestando serviços de programador.

Em 1982, durante uma dessas incursões, encontrou em Poços de Caldas (MG), o que seria o início da realização de um sonho: no centro da cidade, o Cine São Luiz, falido, estava prestes a virar estacionamento. Após negociar um preço vantajoso, Eli abraçou o desafio. Apostando em reprises de sucesso e estratégias inusitadas de divulgação -- como passear pelo centro da cidade com o próprio filho, Márcio Eli, atual diretor da rede, fantasiado de acordo com o tema do filme –, conseguia uma bilheteria superior à de muitos lançamentos em outras praças.

No início dos anos 90, a rede São Luiz de cinemas já contava com 20 salas de rua em cidades do interior como Atibaia, São Lourenço e Itapevi, quando a grande crise do setor, provocada pela popularização do videocassete, fez com que Eli tivesse que fechar as portas e permanecer no comando de apenas duas salas. A fase difícil, porém, sofreu nova virada em 98 com o mega sucesso Titanic: com duas cópias em suas salas, a bilheteria obtida com o filme foi o suficiente para dar novo fôlego à rede, que no ano seguinte viu sua primeira oportunidade de se instalar num shopping center, o Shopping Lapa, em São Paulo, em processo de revitalização. Rebatizada de Centerplex, a partir daquele momento um novo caminho se abriu em cidades do Nordeste, onde havia carência de cinemas: Fortaleza, Maracanaú e, mais recentemente, Maceió. Hoje, com 62 salas espalhadas nos Estados de São Paulo, Minas Gerais, Ceará e Alagoas, a Centerplex Cinemas aposta na mais avançada tecnologia de exibição para manter em seu público a mesma paixão pela sétima arte cultivada por Eli ao longo de toda sua vida – uma história que, sem dúvida, ainda merece ser tema de filme.